Uma exposição na SP-Arte, no último sábado, 8, marcou o lançamento do livro Bancos Indígenas do Brasil, através da BEĨ Editora. Escrito com a colaboração da designer Claudia Moreira Salles, do artista plástico Sergio Fingermann, a curadora e consultora de design Giovanna Massoni (de Bruxelas), e Cristiana Barreto, arqueóloga da Universidade de São Paulo, o livro é uma obra de referência essencial sobre uma das mais importantes manifestações da cultura tradicional brasileira. Dando sequência ao lançamento, a editora realiza na tarde desta segunda-feira, às 17h, uma conversa dos artistas Kanari Kuikuro e Mayawari Mehinaku – autores de diversas peças presentes no livro – com Baba Vacaro. O evento acontece em parceria com a Dpot Objeto, na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 1250.

A coleção BEĨ de bancos indígenas do Brasil abrange peças de mais de 26 etnias e 32 artistas, do alto e baixo Xingu, sul da Amazônia/Centro-Oeste, norte do Pará, Guianas e noroeste amazônico. São mais de 200 bancos de madeira representando animais da fauna brasileira; outros em formato de bancos convencionais, decorados com grafismos ou entalhes. Em todos os casos, equilibram aspectos simbólicos, utilitários e decorativos, espelhando o universo cultural e a cosmologia das etnias que os fabricam.

Para Mayawari, os bancos indígenas são repletos de arte brasileira, dos principais artefatos do povo Menhinaku e símbolos da arte indígena do Brasil. Opinião reforçada por Kanari. “Desde nossos antepassados, nosso trabalho é uma arte. Meu avô me ensinou, e estou levando adiante até agora todo esse aprendizado”, diz.

Sergio Fingermann ressalta a potência criativa dos trabalhos. “A coleção evidencia um interesse que vai muito além da antropologia. Para os artistas e os amantes da beleza, estas peças revelam uma potência criativa, com um olhar para a natureza, para o que os cerca, com invenção, síntese formal, lirismo”, pontua.

 

 

Livro Bancos Indígenas do Brasil – 1ª Edição

Edição trilíngue | Português, inglês e francês
19 x 24 cm | 352 páginas | 247 imagens
ISBN | 978-85-7850-106-8
Preço de capa | R$ 90,00

Como parte das atividades da Semana do Design, evento que engloba as raízes do setor como moda, gráfico e interiores, alunos do 3º e 4º período do curso de Design de Interiores, da Faculdade de Boa Viagem (FBV), projetaram dois ambientes, uma sala de estar e outra de jantar, para simular a prática diária de um arquiteto em atuação. Sob orientação dos professores Alexana Vilar e Hugo Cavalcanti, 16 alunos tiveram cerca de dois meses para idealizar os espaços, projetá-los virtualmente, entrar em contato com as lojas e montar os ambientes que ficaram expostos durante a Semana.

Marcas como Domodi, Urban Arts, B & M Iluminação e A Carneiro Home & Office apoiaram a ação, que é pioneira na unidade de ensino, e disponibilizam móveis e peças de decoração para os estudantes. “Foi muito importante a parceria com as lojas, pois os alunos conseguiram entender como acontece o relacionamento entre profissional e lojista”, pontua Alexana.

De acordo com ela, o exercício ofereceu uma noção mais ampla do que acontece na realidade da profissão. Ela explica que sair da zona teórica e partir para uma prática mais aprofundada permite que o aluno finalize a faculdade um pouco mais amadurecido e ciente das diversidades que acontecem no dia a dia do profissional. “Nem sempre o que planejamos acontece. Por vezes o cliente não gostou de algo, ou se apaixona por alguma peça ou na hora da montagem o objeto não ficou legal e você precisa adequá-lo as proporções e dimensões do lugar, ou até o móvel que você imaginou para o ambiente não está disponível no mercado. Para estas e outras coisas que surgem é preciso ser flexível e criar possibilidades que solucionem as dificuldades, e para ter sucesso nisso é preciso de prática”, destaca ressaltando que a ideia é que mais atividades com esta aconteçam na faculdade.

Foto: Lucas Oliveira
Foto: Lucas Oliveira

Há 30 anos o bairro de Boa Viagem se tornava endereço de uma galeria voltada exclusivamente para o setor da decoração. Consolidado hoje como ponto de encontro e serviço para profissionais e interessados na área, o Shopping da Decoração abriga desde sua inauguração uma das lojas recifenses que mais oferece tendências e produtos nacionais do ramo. Em três décadas de funcionamento, a Casapronta se destaca e se torna referência quando o assunto é design e decoração.

O ano era 1986 e a empresária Dóris de Souza deu o pontapé que segmentaria o empreendimento da família. De frente a organização da lista de futuros logistas, ela percebeu que havia uma grande procura por espaços que oferecessem serviços de decoração e arquitetura e então decidiu estabelecer o perfil do negócio da família. Decidiu ainda ousar: inaugurou sua própria loja de mobiliário apostando na qualidade e no design dos itens. Hoje, com 900 metros quadrados, a Casapronta se sobressai pela aposta em produtos atemporais criados por designers e fábricas nacionais.

“Apesar de não ter experiência e não ser no setor, apostei na ideia e comecei a desenvolver um gosto pela decoração. Meu ex-marido tinha uma marcenaria e convidamos a arquiteta Maria do Loreto Wanderley para desenvolver móveis com o intuito de criar um padrão no mobiliário que iríamos vender”, conta Dóris. Junto aos armários assinados por Loreto, a primeira cartela de itens da loja foi completada por móveis de madeira natural, camas da Coleção Armazém e as cadeiras de Carlos Motta.

Após a abertura da unidade, os próximos passos da empresária foram dados sob indicação de profissionais da área, mas, principalmente, de forma intuitiva. Aliás, para Dóris a intuição foi e é um dos recursos mais bem sucedidos quando o assunto é escolha de produtos para comercialização na loja. “Em determinados segmentos, é necessário fazer uma pesquisa de mercado para traçar um norte aos negócios. Mas, no setor da decoração, onde existe muita arte envolvida, é preciso ter sensibilidade e um olhar apurado. É importante ter um gosto refinado e um feeling. Às vezes existem produtos que o mercado não aceita, mas se você sentir que ele tem valor e apostar, é bem provável que ele surpreenda os clientes e se torne inovador, como aconteceu no começo da trajetória da loja com as vendas da cama Patente que, mesmo sendo algo nada habitual, foi um sucesso e garantiu crescimento logo no primeiro ano de Casapronta”, afirma.

No entanto, a empresária destaca que a cautela foi um dos principais fatores que manteve a marca forte em tempos onde muitas lojas do segmento fecharam as portas. Ela pontua que o segredo está em caminhar devagar e optar por passos mais seguros. “Às vezes as pessoas entram em estado de euforia, se deslumbram e acabam se atrapalhando ao longo do processo. Conseguimos pôr os pés no chão, traçar metas, ter foco e apostar com segurança, tudo para manter a qualidade no mobiliário e a credibilidade, atributo que hoje é um dos nossos patrimônios ”, explica.

O showroom da loja dispõe de marcas, com exclusividade em Pernambuco, como MBrasil/Louis Kazan, Adresse, Clássica Design, Decameron Design, Sérgio Rodrigues, Ecovi, Sérgio Fahrer, Jaqueline Terpins, Larco, Shuster, Tapetes Avanti e Estúdio Bola. “São marcas que tem valor por não perder o design. Elas têm estilo atemporal e atual”, pontua.

Em relação aos projetos para o futuro, Dóris destaca: “Meus planos são de aprimoramento e refinamento. Treinar e qualificar cada vez mais a equipe. A ideia não é crescer em tamanho, mas sempre em qualidade”, destaca.

Celebração

Em comemoração às três décadas de funcionamento, a Casapronta promove no próximo dia 27, a partir das 19h, a festa “Trinta anos entrelaçados”. O evento terá cenografia assinada pela arquiteta, cenógrafa e light designer Séphora Silva, que também vai ambientar a vitrine da loja. O conceito inicial do espaço será a projeção do futuro, tendo como ponto de partida as linhas de construção da cadeira Magis.

A Casapronta vai aproveitar o momento para relembrar todas as 135 vitrines já decoradas na loja promovendo uma mostra fotográfica com as diferentes roupagens do espaço durante os 30 anos. A festa também marcará o lançamento da exposição de peças de José Zanine Caldas – falecido em 2001. Considerado um dos mestres do design brasileiro, e reconhecido internacionalmente, foi precursor do uso responsável da madeira na arquitetura e engenharia nacional.

Dentre os ambientes de uma casa, a varanda é um dos espaços que mais remete tranquilidade e aconchego. Seja para receber amigos ou apenas passar aquele momento extra de relax, o cômodo tem ganhado uma atenção especial, principalmente quando o assunto é decoração. O casarão que habita a Casa Cor Pernambuco, mostra de decoração, design e arquitetura, apresenta quatro estilos bem diferentes de compor o ambiente.

As arquitetas Luiza Nogueira e Simone Lima apostaram no clássico para a Varanda Rui Barbosa. Na estrutura do sobrado do século XIX, peças em tons brancos e estampas se contrapõem com objetos novos e antigos, como a lustre Baccarat da década de 1930, Art Décor, em cristal e bronze, e a Mesa PI, da Casa Pronta, assinada pela design Jaqueline Teles. O local é divido em dois espaços que seguem a mesma composição e harmonia com a presença de fotografias do Recife, de Ângela Agra, tela do artista João Câmera e escultura do Mestre Galdino. “É um ambiente monocromático que possui um estilo atemporal e usual que tem como proposta permitir que você se sinta em casa”, explica Simone Lima.

No andar superior, a Varanda da Família, espaço assinado pelas arquitetas Giselly Agra, Katya Veras e Marcela Salazar, do Studio 360, traz características contemporâneas e minimalistas com fortes influências internacionais, estabelecendo uma ligação entre o verde e a arquitetura, integrando ao ambiente uma árvore em galhos secos.

A Varanda das Orquídeas tem a madeira como material principal com as cores laranja e vermelho dando o tom ao ambiente que fica na parte externa do casarão. No espaço, assinado pelos arquitetos Katia Carapeba, Sônia Beltrão e Gabriel Beltrão, a natureza é representada nas jardineiras e o pé de Sapoti. Obras de arte de Abelardo da Hora e André Nóbrega trazem os traços regionais e enaltecem a cultura popular brasileira como a arte de Edgar Viana.

As arquitetas Juliana Dijck e Marcela Muniz utilizaram a palavra aconchego para compor a Varanda Boulevard. Com a ideia de trazer materiais que remetam a um lugar destinado para relaxar, elas apostaram em madeira, revestimentos e tecidos e tons pastéis sempre mesclando com o verde, trazendo uma cortina de bambuzais. Entre os pontos marcantes do espaço, elas destacam a obra de Marcelo Silveira. “É uma peça que causa curiosidade nas pessoas, pois antes de tocá-la muitos pensam que é feita de couro, só que é de madeira. Além disso, o formato gera dinâmica e movimento ao ambiente”, destaca Juliana.

Os espelhos vêm ganhando lugares de destaque na decoração de casas e escritórios. Além de transmitirem a sensação de ambientes mais amplos, esses objetos também podem ser usados em lugares inesperados, como aquele canto da sala esquecido ou até mesmo em acabamentos de escadas. Para servir de inspiração e deixar a casa ainda mais bela para o final do ano, a arquiteta e designer de interiores, Renata Mueller, selecionou alguns de seus projetos em que utilizou espelhos.

Projeto 01
Os espelhos podem ser usados para dar um toque de requinte aos ambientes. A arquiteta e designer de interiores, Renata Mueller, optou em utilizar os espelhos na parte externa do corrimão das escadas. O objetivo foi transmitir leveza e modernidade ao espaço.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Projeto 02
Na hora de decorar é fundamental olhar os detalhes e as possibilidades em utilizá-los da melhor forma. O lavabo é um dos espaços que permite abusar nos acessórios. Neste projeto, Renata escolheu um filete de espelhos para revestir a parede.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Projeto 03
Distribuídos em tamanhos diferentes, os espelhos permitem brincar com a decoração do ambiente, sem prejudicar sua funcionalidade. Neste projeto, Renata utilizou os delicados espelhos redondos para harmonizar e alegrar o quarto infantil.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Projeto 04
Misturados com elementos da marcenaria, os espelhos funcionam como alternativa para valorizar espaços escondidos. O cantinho dos livros de receita e revistas ganhou dois espelhos para equilibrar o espaço da cozinha.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

 

Serviço:
Renata Mueller
Arquitetura. Design. Arte
Rua: Visconde do Rio Branco, 1717, sala 64. Centro.
Fone: (41) 3223-4380
http://www.renatamueller.com.br/

 

 O final de ano está chegando e este é o momento de pensar em uma combinação harmoniosa para a mesa de natal e ano novo. É hora de reunir a família e aproveitar esta época de festas, que fica ainda mais bacana com uma decoração de mesa requintada e cheia de criatividade.

A Lolahome preparou alguns modelos que vão agradar diversos estilos, desde os mais tradicionais e elegantes aos que preferem um clima mais tropical. Todos os guardanapos, toalhas, jogos americanos e porta-guardanapos são exclusivos da marca.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Lolahome

www.lolahome.com.br

Tel. 41 3076 7635

Reforçando o conceito assumido no início deste ano de uma loja voltada para a atmosfera do campo e praia, os empresários Eduardo Machado, Miguel Henriques e Wair de Paula apresentaram as novidades da Mostra Artefacto – Beach & Country 2014, neste sábado (31), para convidados e imprensa, na Zona Sul do Recife.

O evento apresenta dez espaços, assinados por nomes da arquitetura e decoração pernambucanos, que utilizam cores mais sóbrias e materiais como acrílico, madeira de demolição, laca, espelhos e aço, para reforçar a perspectiva da marca, que conta atualmente com onze lojas no Brasil e unidades nos Estados Unidos.

“A Mostra Artefacto é mutante. A ideia aqui é provar que é possível montar ambientes interessantes com produtos de liquidação”, cravou Eduardo Machado, um dos sócios da grife. Não à toa, o evento não tem data para acabar. Segundo os organizadores, a perspectiva é que o cliente possa adquirir qualquer produto do portfólio exposto.

Em tempo, quem marcou presença na ocasião foi a jornalista e apresentadora Astrid Fontenelle, grande conhecida de Wair, que se disse entusiasmada por voltar ao Recife. Quem deve aportar durante esta semana no evento é a arquiteta Brunete Fraccaroli, conhecida também pelo reality show Mulheres Ricas. A Mostra será aberta ao público em geral a partir desta segunda-feira (2).

Confira quem passou pela Mostra na nossa cobertura social no Facebook.

Artefacto Beach & Country
Rua Atlântico, 139, Boa Viagem
Fone: (81) 3465.8182

Abençoada pelo Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido, a capela de Nossa Senhora das Graças, construída pelo industrial Ricardo Brennand e sua mulher Graça Brennand e localizada em terras da antiga Usina São João da Várzea, possui estilo gótico com projeto de Augusto Reinaldo Alves Filho.

O novo templo dispõe de 600 metros quadrados e 21 metros de altura, podendo receber até 300 pessoas sentadas. Com design técnico de Edgar Ulysses de Farias Filho, o lugar tem talhas e carpintaria do Mestre Nido (Eronildes José Carlos Honorato). No altar principal, está suspensa uma imagem em tamanho natural de Jesus Cristo, assinada por Elias Sultanum.

A nova construção conta ainda com rosáceas de Sérgio Mantur, elementos fundamentais usados em catedrais durante o período gótico, que transmitem, através da luz e da cor, o contacto com a espiritualidade. Catorze anjos são de autoria de Ricardo Cavani Rosas. Os vitrais são de Suely Cisneiros Muniz e iluminação de Regina Coeli de Barros e Mohana Barros. Agenda do espaço para celebração de casamentos já começa a ser montada.

Instituto Ricardo Brennand
www.institutoricardobrennand.org.br

Espelhos são um dos poucos acessórios unânimes da arquitetura. Combinam com diversos estilos de ambientes e caem bem em cômodos de tamanhos variados. Além de serem peças que simbolizam a vaidade, quando incorporados a paredes e móveis, são ótimos aliados na amplitude dos espaços. Nessa perspectiva, as arquitetas da arqMULTI, Danielle Paes Barreto, Soraya Carneiro Leão e Bruna Lobo, reuniram dicas de como utilizar o objeto na decoração, proporcionando maior funcionalidade e sofisticação ao ambiente.

Uma dica das arquitetas é com relação à localização das peças. O recomendado é que elas fiquem nas áreas de circulação da casa, em paredes, bancadas, portas ou até mesmo nos móveis em si. “Desde que inserido e adequado à decoração proposta, não há muitas restrições para usar essas peças”, conta Bruna.

Para locais menores, como banheiros, salas de estar ou hall, a pedida é colocar o espelho em uma das paredes. Lugares estratégicos para a aplicação do espelho são hall de entrada, sala de jantar, closets e porta de armários em quartos e banheiros. Em relação à variedade de cores e acabamentos, o ideal é escolher o que combina com o restante da decoração.

ArqMULTI
www.arqmulti.com.br

 

O artista plástico pernambucano, natural de Gravatá, Marcelo Silveira realiza, no dia 23 de maio, uma mostra itinerante na sua Cidade Natal.  Localizado na Escada da Felicidade, o trabalho é composto por hastes de madeira de reciclagem, encaixadas em quatro placas de PVC, que servem de moldura para 12 cartazes com relatos dos moradores, e 12 fotografias da Escada da Felicidade.

Produzido em parceria com a pesquisadora Cristina Huggins, o projeto, intitulado “Você se lembra da Escada da Felicidade?” busca retratar o vínculo afetivo da população com o patrimônio arquitetônico, representa o Nordeste entre os vencedores do Concurso Prêmio Honra ao Mérito Arte e Patrimônio 2013, do Iphan. . Em tempo, o material está em exposição no Rio de Janeiro, no Centro Cultural Paço Imperial, desde o dia 14 até 20 de julho.

Marcelo Silveira – Graduado pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE, Marcelo realizou residência artística em Gästeatelier, em Bassel, na Suíça, e vem atuando desde 1987 em exposições individuais e coletivas, como a Bienal de São Paulo. Suas obras integram importantes coleções particulares e públicas, nacionais e internacionais. Premiado em diversas oportunidades, o artista é considerado pela crítica especializada um nome de referência na sua geração.

Mostra coletiva da 3ª edição do Prêmio Honra ao Mérito Arte e Patrimônio
Data: 14/05/14 a 20/07/14
Local: Centro Cultural Paço Imperial / IPHAN / MinC – Praça XV de Novembro, 48 – Centro – Rio de Janeiro – RJ

Mostra itinerante em Gravatá
Data: 23/05/14
Locais: não revelados. Quem quiser acompanhar a mostra, terá de procurá-la na cidade. A última parada será na Buchadinha do Biu, no Alto do Cruzeiro