O Mar Hotel será palco do 1º Encontro Regional de Construção a Seco – Light Steel Framing (LSF), que será realizado nos dias 10 e 11 de maio, e irá apresentar cases importantes que antecipam o futuro da Construção Civil. Entre eles, o projeto da Vila Olímpica (RJ), empreendimentos de alto padrão, obras realizadas no Recife, entre outros. O objetivo é impulsionar o sistema construtivo LSF no mercado e fomentar discussões acerca do desenvolvimento tecnológico da construção em diversas regiões do Brasil, a começar pelo Nordeste.

O LSF promove uma sistemática mudança na forma de projetar, planejar e executar uma edificação. Este sistema de construção a seco é constituído por estrutura leve de perfis de aço galvanizado, que formam um esqueleto estrutural, composto de painéis, vigas, tesouras de telhado e outros elementos, projetados para suportar as cargas da edificação. Entre as vantagens do sistema está a versatilidade na execução de projetos com tipologias variadas, inclusive de grandes dimensões como shoppings centers, Unidades Básicas de Saúde (UBS), creches, estádios esportivos, hotéis, aeroportos, indústrias e residências de alto padrão.Um exemplo será dado, no Encontro Regional, com a construção de uma creche, em Jaboatão dos Guararapes, no segundo dia do evento (ver matéria abaixo).

Para as palestras do Recife foram convidados o arquiteto Juliano Dubeux; o sócio-diretor da Bonanza Steel Frame, Sávio Neiva; o engenheiro civil João Abukater Neto; as arquitetas e urbanistas Helena Rodrigues (RJ) e Heloísa Pomaro (SP) e a engenheira química Daniele B. Palmiro Albagli.

 

1º Encontro Regional de Construção a Seco- Light Steel Framing

10 e 11 de maio de 2017
Mar Hotel – Rua Barão de Souza Leão, Boa Viagem – Recife-PE

Informações: www.construcaoasecolsf.com.br

 

Programação:

Dia 10 de Maio 9h – 17h30h

-Tecnologia e industrialização – LSF;
-O aço galvanizado e a vida útil das estruturas;
-O sistema LSF – conceito e boas práticas no mercado brasileiro;
-O conceito estrutural e soluções tecnológicas;
-Habitação de interesse social e novos sistemas Construtivos;
-Aula prática de montagem/ exposição

Dia 11 de Maio 9h – 17h

-Sustentabilidade na construção civil
-Normas de desempenho para o sistema Light Steel Framing;
-Critérios de especificação para o light steel frame
-Nordeste- O mercado do LSF: empreendimentos, desafios e perspectivas;
-Aula prática de montagem/ exposição

Leia mais:

Creche será erguida em um dia no Recife

Cadeira Mia (Foto: Divulgação)

O designer catarinense Jader Almeida, diretor criativo da Sollos, integra o seleto grupo de profissionais e empresas do Brasil que irão expor e comercializar produtos na nova loja Pau-Brasil, que será inaugurada no próximo dia 22 de abril, em Lisboa.

Serão 30 produtos assinados por ele, entre eles, a cadeira Mia, a luminária Memory, o sofá Dora, além de clássicos como a mesa de apoio Jardim, a poltrona Mad, os bancos Phillips e Mark.

O empreendimento, capitaneado pela QuartoSala, também comercializará mobiliário de ícones do design brasileiro como Sergio Rodrigues, os irmãos Campana e Paulo Mendes da Rocha. A loja Pau-Brasil ocupará o Palácio Castilho, prédio histórico do século 18, na capital portuguesa.

 

Abertura loja Pau-Brasil

Dia: 22 de abril de 2017

Horário: 14h às 20 horas

Local: Palácio Castilho – Rua da Escola Politécnica, 42 – no Príncipe Real, em Lisboa

www.jaderalmeida.com

www.sollos.ind.br

Estão abertas as inscrições para o 18º Prêmio Arte na Escola Cidadã, único no Brasil voltado exclusivamente para professores da disciplina. A proposta do Instituto Arte na Escola, responsável pelo concurso, é incentivar o ensino de Arte no Brasil. Desde sua primeira edição, em 2000, o Prêmio – possível graças a Lei de Incentivo à Cultura – conta com a cooperação da UNESCO no Brasil.

Hoje, o país tem mais de 500 mil professores ministrando a disciplina de Artes na Educação Básica. Com a missão de reconhecer e dar visibilidade a projetos exemplares na área, o Prêmio faz um mapeamento de trabalhos desenvolvidos em escolas das cinco regiões do país. Nesta 18ª edição, os professores poderão se inscrever até o dia 28 de maio.

Todos os inscritos receberão um material com proposta educativa a partir da obra “Puros e Duros” (1991), de Leonilson, artista homenageado nesta edição.

 

18º Prêmio Arte na Escola Cidadã

Inscrições (exclusivas pelo site):

www.artenaescola.org.br/premio

Fones: (11) 3103-8064/8091

facebook.com/instituto.artenaescola

 

Ela escolheu as estampas como meio de expressar traços, costumes e vivências regionais através da arte. Assim, a designer de moda Rebeca Gouveia foi plantando novas cores e possibilidades pelo caminho da moda e ganha cada vez mais admiradores do seu trabalho no Estúdio RG, no Recife.

Formada em design gráfico pela Faculdade Aeso Barros de Melo e pós-graduada em design pela Faculdade Boa Viagem (em parceria com o Instituto Europeu de Design), Rebeca entrou no mercado de designer de superfícies há quatro anos. Entre os clientes, Matersol, Picadilly (So.Si), Verde Blue, Catulina, Litoraneus, Porto Fit, Tchica, Maritme, Lela Correia e o site Achei Fashion.

As estampas – produzidas em técnicas manuais e digitais- exploram cores quentes, elementos da fauna, da flora e espelham a riqueza da tropicalidade em cenários ligados à expressividade brasileira. “É um modo de ousar e dar vazão à liberdade criativa, aproveitando a efusão de beleza e luz que temos em nossa volta. Tudo na natureza me inspira”, conta Rebeca.

Nos próximos dias 12 e 13 de maio, Rebeca ministrará o Workshop de Estamparia Digital, promovido pela RecModa.

 

Estúdio RG

Fone: (81) 9 9607-0562

estudiorg.46graus.com

@estudiorg

 

Leia mais:

RecModa oferece curso de estamparia digital

O mês de maio promete um show de cores e criatividade, com o Workshop Estamparia Digital promovido pela RecModa – Escola de Moda Criativa. As oficinas acontecem nos dias 12 e 13, sob o comando da designer de moda Rebeca Gouveia.

O curso tem o objetivo de apresentar os métodos de estamparia digital e todas as etapas de criação de uma estampa: briefing, desenho, rapport e finalização. Para participar, é preciso prévio conhecimento do Photoshop e levar notebook para as aulas

Com experiência profissional em desenvolvimento de estampas, Rebeca Gouveia é formada em Design Gráfico pela Faculdade Aeso Barros Melo e pós-graduada em Design pela Faculdade Boa Viagem, em parceria com o Instituto Europeu de Design.

Serviço

Workshop Estamparia Digital

12 e 13 de maio

Facilitadora: Rebeca Gouveia

Empresaria ETC – Av. Rosa e Silva, 1460, Recife-PE

Contato: (81) 9 9946-4019 / 9 9607-0562

 

 

Confira ainda:

A estamparia de Bete Paes

 

Ao longo de mais de 20 anos, a criação de estampas está presente na rotina da arquiteta e designer Bete Paes. Ela participou da mesa redonda sobre estamparia, promovida no lançamento da #Sim!103, na loja Novo Projeto, e pontuou como a peça pode levar personalidade ao ambiente, além de destacar como consegue traduzir em seus tecidos aspectos da cultura popular nordestina. Confira o vídeo completo!

A tecnologia como aliada da arquitetura e da engenharia será discutida no 1º Encontro Regional de Construção a Seco – Light Steel Framing (LSF), nos dias 10 e 11 de maio, no Recife. Com o objetivo de fomentar debates e impulsionar o LSF no Nordeste, o evento deixará como legado uma creche de 280 m2, erguida no segundo dia do encontro, em Jaboatão dos Guararapes. O projeto apresenta recepção, lavabo, secretaria, refeitório, berçário, sala de recreação, banheiros infantis, lactário, fraldário e pátio externo.

De acordo com Sávio Neiva, responsável pela obra, o prédio que abrigará a creche foi pensado para receber 40 crianças. Segundo ele, a LSF (modalidade construtiva a partir do aço) é amplamente utilizada no Japão, Canadá, nos Estados Unidos e na Europa. Entre as vantagens apontadas por ele, estão justamente a rapidez na entrega da obra, a versatilidade, eficiência produtiva, redução de desperdício, precisão e o baixo impacto ambiental.

Luana Carregari, idealizadora do evento, explica porque a capital pernambucana foi escolhida como sede do encontro. “Recife é um polo de tecnologia, tem obras significativas feitas no sistema construtivo ‘Light Steel Frame’. Temos aqui o restaurante Bom Gustaio, o Estaleiro Naval Mares, a rede Frutaria, como bons exemplos de projetos que apostaram na construção a seco, além de algumas edificações da rede hoteleira”, explica.

O evento contará, ainda, com palestras e exposição.

Serviço

1º Encontro Regional de Construção a Seco- Light Steel Framing

10 e 11 de maio de 2017
Mar Hotel – Rua Barão de Souza Leão, Boa Viagem – Recife-PE

 

Leia mais:

Construção a seco é tema de encontro no Recife

Uma exposição na SP-Arte, no último sábado, 8, marcou o lançamento do livro Bancos Indígenas do Brasil, através da BEĨ Editora. Escrito com a colaboração da designer Claudia Moreira Salles, do artista plástico Sergio Fingermann, a curadora e consultora de design Giovanna Massoni (de Bruxelas), e Cristiana Barreto, arqueóloga da Universidade de São Paulo, o livro é uma obra de referência essencial sobre uma das mais importantes manifestações da cultura tradicional brasileira. Dando sequência ao lançamento, a editora realiza na tarde desta segunda-feira, às 17h, uma conversa dos artistas Kanari Kuikuro e Mayawari Mehinaku – autores de diversas peças presentes no livro – com Baba Vacaro. O evento acontece em parceria com a Dpot Objeto, na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 1250.

A coleção BEĨ de bancos indígenas do Brasil abrange peças de mais de 26 etnias e 32 artistas, do alto e baixo Xingu, sul da Amazônia/Centro-Oeste, norte do Pará, Guianas e noroeste amazônico. São mais de 200 bancos de madeira representando animais da fauna brasileira; outros em formato de bancos convencionais, decorados com grafismos ou entalhes. Em todos os casos, equilibram aspectos simbólicos, utilitários e decorativos, espelhando o universo cultural e a cosmologia das etnias que os fabricam.

Para Mayawari, os bancos indígenas são repletos de arte brasileira, dos principais artefatos do povo Menhinaku e símbolos da arte indígena do Brasil. Opinião reforçada por Kanari. “Desde nossos antepassados, nosso trabalho é uma arte. Meu avô me ensinou, e estou levando adiante até agora todo esse aprendizado”, diz.

Sergio Fingermann ressalta a potência criativa dos trabalhos. “A coleção evidencia um interesse que vai muito além da antropologia. Para os artistas e os amantes da beleza, estas peças revelam uma potência criativa, com um olhar para a natureza, para o que os cerca, com invenção, síntese formal, lirismo”, pontua.

 

 

Livro Bancos Indígenas do Brasil – 1ª Edição

Edição trilíngue | Português, inglês e francês
19 x 24 cm | 352 páginas | 247 imagens
ISBN | 978-85-7850-106-8
Preço de capa | R$ 90,00